Empreendedorismo na cultura de morangos

Empreendedorismo na cultura de morangos

3 de Janeiro de 2013 às 12:27 por em Empreendedorismo
 

inovação em morangosMais um bom exemplo de empreendedorismo bem sucedido, desta feita num setor que por tradição tem sido pouco apetecível para os portugueses – a agricultura.

José Carvalho, de Vila Nova de Famalicão, ganhou recentemente o prémio de Projeto Mais Inovador da Europa.

Trata-se de uma técnica inovadora na produção de morangos. A produção em aeroponia, ou seja, o cultivo é realizado com as plantas suspensas no ar.

José de Carvalho implementou já doze estufas de morangos utilizando esta técnica e perfazendo uma área total de um hectare.

A produção em aeroponia já não é novidade nenhuma, e pelo que li, as virtudes da técnica que renderam a José Carvalho o título de projeto mais inovador, prendem-se com a natureza da rega, que permite uma elevada poupança de água e melhores frutos.

A produção em altura é três vezes mais produtiva que o método tradicional no solo.

A plantação inovadora é realizada em calhas a 180 cm de altura, que na altura da colheita dos morangos podem baixam para os 120 centímetros, permitindo assim uma recolha mais cómoda.

Para um hectare de morangos plantados no solo são necessários 60 mil litros de água, mas José Carvalho só gasta cerca de 2500 graças ao seu sistema computadorizado de rega – oito regas por dia, gota a gota, cada uma com uma duração de três minutos, que a jusante ainda recupera alguma da água.

Outro aspeto inovador (parece-me), é o facto da alimentação dos morangos ser realizada com água contendo fibra de coco.

Para além de assegurarem morangos durante todo o ano, as estufas de morangos de José Carvalho empregam sete pessoas, que realizam todas as tarefas, desde a plantação ao embalamento.

Projeto Mais Inovador

O prémio foi investido no âmbito do 1º Congresso Europeu de Jovens Agricultores, organizado pela portuguesa CAP (Confederação dos Agricultores de Portugal), ASAJA (organização espanhola de agricultores) e grupo parlamentar do PPE do Parlamento Europeu.

A concurso, foram apresentados projetos de jovens agricultores dos 27 estados-membros da União Europeia, que concorreram nas categorias de “melhor jovem agricultor da Europa”, “projeto mais sustentável” e “projeto mais inovador”.

Portugal apresentou cinco projetos, relativos aos setores hortofrutícola, pecuário, à vinha, aos cereais e ainda reativo a equinos lusitanos.

Dos cinco, quatro projetos chegaram à final, e o quinto não alcançou essa fase por falta de qualidade, mas sim por não ser enquadrável nos quesitos do concurso.

Aqui está mais um indício da nossa qualidade e a prova de que (boas) ideias não nos faltam. Apenas precisamos de acreditar mais e ser mais determinados e perseverantes nas ações.

A propósito, fiquem com este interessante vídeo motivacional. À atenção de todos os criativos e potenciais startupers.

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*